sábado, 12 de novembro de 2011

045 - O SALTO DA MARA

Caros leitores e amigos,


Estes desenhos, são 2 auto-retratos da Mara que foi minha aluna no MAM em 1985. A diferença entre a data de execução dos dois, creio eu, que é de pouco mais de um mes. Como não aparecem as datas não posso afirmar isto com certeza. Como o meu curso dura no máximo dois meses, estes desenhos teriam sido realizados, no máximo, com dois meses de diferença, o que já seria um excelente resultado. Mas, o que me importa mesmo é que quinze anos mais tarde dois de seus filhos me procuraram e se tornaram também meus alunos.
Até a próxima,
Santa Teresa, Rio de Janeiro, 17 de Setembro de 2008.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

044 - Viva o Material Nacional ! 2



Caros leitores e amigos,


Publico aqui mais 4 ilustrações feitas por mim com material de desenho nacional.


Caetano feito com aquarela daquele estojo de criança da Faber.
Juliette Binoche, com hidrográficas infantis com as cores alteradas no Photoshop.
O Presidente antes de ser Presidente, em aquarela para crianças.
Finalmente Gilberto Gil a lápis de cor da Faber. O desenho está incompleto porque boa parte dele foi feita em sala de aula num curso de Ilustração que dei no MAM (Museu da Arte Moderna do Rio) em 85. Executei o desenho até o ponto em que julguei que, dalí em diante, os alunos poderiam prosseguir sózinhos. Evidentemente os alunos estavam trabalhando com fotos de outras pessoas. Escolhi Gil pelo fato de considerá-lo um artista extaordinário.
até a próxima,
Santa Teresa, Rio de Janeiro, 16 de Setembro de 2008.

sábado, 13 de setembro de 2008

043 - Viva o Material Nacional ! 1

Caros leitores e amigos.
Acima apresento 4 ilustrações de minha autoria, executadas com técnicas diferentes.
Caetano está propositadamente incompleto, pois foi feito em sala de aula deixando claro as várias etapas do acabamento, principalmente o cabelo. A técnica usada foi com canetas hidográficas, daquele estojo nacional usado por crianças. Para misturar as cores utilizei um pincel com água.
Bruna Lombardi foi feita com lápis de cor nacional, Faber-Castell. Para que eu chegasse a este acabamento com lápis de cor foram necessários alguns anos de pesquisa.


O desenho deTancredo Neves foi executado com lápis grafite nacional. A técnica do grafite, domino desde os meus 18 anos.
No Gilberto Gil usei Gouache, que me é familiar desde de os meus 20 anos de idade. O gouache utilizado foi também de fabricação nacional.


Se vocês leram este blog inteiro devem saber que sou auto-didata. Aprendi todas estas técnicas sózinho, com muito esforço e alguns bons livros. Resolvi publicar estes desenhos neste blog simplesmente para mostrar que com o material nacional pode se obter bons resultados.


Não é o material que faz a qualidade de um desenho ou de uma pintura.


Até a próxima,
Santa Teresa, Rio de Janeiro, 13 de Setembro de 2008.

042 - Curso no Museu da República.

Caros leitores e amigos,
Este é o cartaz do meu novo curso de desenho que vai ser lançado também no Museu da República. A palestra será no dia 3 de Outubro na Sala de Cursos e o curso começará no dia 6 de Outubro. O Museu da República fica na Rua do Catete 153, Rio de Janeiro. Para visualizar melhor o cartaz basta clicar em cima. O curso é o mesmo da Casa de Cultura Laura Alvim, portanto o texto publicado na postagem 040 serve para os dois. Para maiores informações, o meu email é josemauricioporto@gmail.com .
Até a próxima,
Santa Teresa, Rio de Janeiro, 13 de Setembro de 2008.

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

041 - Novo aviso aos navegantes de primeira viagem.

Caros leitores,
Este texto é a reprodução quase integral do texto 029, pois continúo recebendo emails de pessoas que não conseguem lidar com blogs. Entram no blog, lêem as postagens da primeira página e pronto, acham que acabou. Esta é a postagem 041, portanto existem mais 40 para serem vistas ou lidas. Como conseguir encontrá-las? Aquí vão algumas ¨dicas¨:
001 - Na primeira página vocês verão apenas as últimas postagens (que eu também chamo de textos). Em geral não ultrapassam o total de dez. Vocês vão descendo até parar. No meio da tela está escrito : Postagens mais antigas. Basta clicar em cima e vocês irão para a página anterior, onde encontrarão evidentemente as postagens mais antigas. (Atenção, deixo claro que esta não é uma explicação lusitana. é real).
Daí em diante é só repetir o procedimento. Perceberam ?.
002 - Outra maneira bem mais rápida é procurar na tela o ARQUIVO DO BLOG que fica no seu lado direito. Vocês, por exemplo, poderão clicar uma vez só no triângulo cinza qua fica ao lado ano de 2007 ou 2008. Então verão todas as postagens do ano de uma só vez. Às vezes, dependendo da quantidade de postagens, não virão todas. Aparecerá novamente na tela: Postagens mais antigas. Então, é só clicar em cima.


003 - Se vocês quizerem ler um determinado texto, vocês poderão clicar uma vez em cima do triângulo cinza que fica ao lado do ano e ao lado do mes, escolher o título e clicar em cima. Só aparecerá aquele texto. Para voltar ao estado normal do blog, clique em Início que fica à esquerda de Postagens mais antigas.
Não sei se consegui ajudá-los ou se dei uma de Chacrinha: " Eu estou aqui para confundir, eu não estou aqui para explicar ".
Até a próxima,
Santa Teresa, Rio de Janeiro, 3 de setembro de 2008.

terça-feira, 2 de setembro de 2008

040 - Texto sobre o curso da Laura Alvim.

Caros leitores e amigos,

Publico abaixo o texto escrito para a divulgação do meu novo curso que será lançado neste mes de setembro na Casa de Cultura Laura Alvim. Daquele mágico espaço guardo ótimas recordações, pois lá ministrei diversos cursos entre 1987 e 89.

DESENHO e CÉREBRO.
OUTROS CAMINHOS.
O curso "Desenho e Cérebro. Outros Caminhos." é o resultado de 25 anos de um trabalho de pesquisa no ensino do Desenho de Observação. Está baseado na releitura crítica, feita pelo professor Maurício Porto, do método proposto pela Professora Betty Edwards no livro Drawing on the Right Side of the Brain.

Maurício Porto foi um dos pioneiros na aplicação do método da referida Professora (1983). Em outubro de 1984, lançou o curso "Desenho com o Lado Direito do Cérebro" no MAM (Museu de Arte Moderna - Rio de janeiro) e no IAB (Instituto de Arquitetos do Brasil). Ainda em 1984, escreveu o prefácio da edição brasileira do livro Desenhando com o Lado Direito do Cérebro, de Betty Edwards.

No final de 1985, ao ler o artigo "Right brain, Left brain, Fact and Fiction" da neurocientista Jerre Levy, teve confimada a sua desconfiança inicial da impossibilidade de se ensinar apenas a um dos lados do cérebro, passando então a considerar irrelevante uma possível ativação maior do hemisfério cerebral direito.

A partir de 1986, desenvolveu o seu próprio método de ensino do desenho, com uma didática inovadora. Criou dezenas de exercícios, baseados nas suas estratégias pessoais para desenhar. Embora seguindo outros caminhos, manteve o que considerou de mais interessante no trabalho da Professora Betty Edwards.

Segundo o professor Maurício Porto: "No método que criei para dar as aulas procuro desestimular a competição, estabelecendo um clima altamente relaxante na sala de aula, onde os alunos vão aos poucos diminuindo a natural ansiedade da expectativa e a normal auto-crítica. A minha maior preocupação sempre foi com o lado emocional. Procuro ajudar meus alunos, quando necessário, a superar possíveis bloqueios em relação ao desenho".
Até a próxima,
Santa Teresa, Rio de Janeiro, 2 de setembro de 2008.

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

039 - Curso na Casa de Cultura Laura Alvim.

Caros leitores e amigos,

Este é o cartaz do meu novo curso de desenho que vai começar neste mes de setembro na Casa de Cultura Laura Alvim, Ipanema, Rio de Janeiro. Para visualizar melhor o cartaz basta clicar em cima. Para maiores informações, o meu email é josemauricioporto@gmail.com .
Até a próxima,
Santa Teresa, Rio de Janeiro, 1 de Setembro de 2008.

sexta-feira, 25 de abril de 2008

038 - Um dia o meu croquis nasceu.

Caros leitores,

Este texto complementa o anterior (036).

Aqui estão 4 croquis de arquitetura de minha autoria. Os dois de cima são de 1999. São do projeto do Concurso da Igreja da PUC / RJ, dos arquitetos Flavio Ferreira e Ernani Freire, com projeto de iluminação do arquiteto José Luis Galvão. Infelizmente não foi o projeto vencedor.
Os dois de baixo são de um projeto dos arquitetos Vicente Más Gonzalez ( Paquito) e Pedro Paulo Machado, para uma residência na Ilha de Macacos em Angra dos Reis. São croquis de 1973. Eles foram feitos numa época em que eu estava começando a gostar dos meus croquis. Talvez neste ano ele tenha nascido.
Até a próxima,
Santa Teresa, Rio de Janeiro, 25 de abril de 2008.

terça-feira, 22 de abril de 2008

037 - O Pintor e o Menino.



Caros leitores,
Hoje apresento-lhes um diálogo real: "O Pintor e o Menino".
O pintor: - Seu pai me disse que você quer ser pintor quando crescer, é verdade?
O menino: - Sim, é verdade!
O pintor: - Posso lhe dar um conselho?
O menino: - Pode.
O pintor: - Copie, copie, copie. Copie a reprodução das pinturas dos grandes mestres !!! Depois, quando você fizer 18 anos, peça ao seu pai para lhe mandar para Paris. Vá ao Louvre todos os dias e continue copiando. Copie, Copie e não desista. Não se preocupe, um dia a Sua Pintura Nascerá !!!
O menino: - Eu já faço isso, mas só que eu copio desenhos de gibi. Eu adoro desenhar cavalos e índios!
O pintor sorriu levemente e perguntou: - Quantos anos você tem?
O menino: - 12 anos.
O pintor: - Então eu vou lhe dar aulas de pintura, você quer?
O menino: - Claro que eu quero!
O menino entusiasmado correu para perto do pai e falou: - Papai ele vai me dar aulas de pintura, eu vou ser pintor.
O pintor se aproximou do pai e disse: - Ele vai ser meu aluno.
O pintor: Cândido Portinari.
O menino: Eu, Maurício Porto.
Este encontro, que jamais esquecerei, aconteceu provavelmente em 1957. Foi numa galeria de arte em Copacabana, na vernissage de uma exposição do extardinário desenhista e pintor Argentino, Manoel Kantor. Portinari e Kantor eram grandes amigos de meus pais Nelson de Magalhães Porto e Daura Ribeiro Porto.
Infelizmente não pude ser aluno de Portinari. Descobri que a tinta a óleo, a terebentina ou a água ráz, me provocavam fortes crises de asma. Foi muito triste para mim. Aos 12 anos desisti de ser pintor. Mas de uma coisa eu sei, não esqueci o conselho de Portinari.
Aos 21 anos comecei minha carreira de ilustrador de arquitetura. Não tenho a menor vergonha de dizer que copiei dezenas de croquis de arquitetura de Le Corbusier, Lúcio Costa, Oscar Niemeyer, Sérgio Rodrigues, Marcos de Vasconcellos e Luiz Carlos Neves. Um dia o meu croquis nasceu!!!
Até a próxima,
Santa Teresa, Rio de Janeiro, 25 de abril de 2008.

036 - "Professor, é assim que eu desenho". 2


Caros leitores,
Este texto é praticamente uma continuação do anterior (035), portanto aconselho a todos a lerem o texto abaixo.
Nestes desenhos acima procuro mostrar um provável caminho que usei para "marcar" a garrafa e mostrar que ela "não surgiu do nada".
Imagem 9 - Mentalmente estabeleci o Enquadramento do Desenho.
Imagem 4 - Visualizei a parte principal do tema e imaginei a superposição de um polígono irregular (em amarelo). Este é um processo muito usado e ensinado que pode ser chamado de abstração geométrica ou geometrização do tema. Eu o considero ótimo porque, com a redução de todos os elementos a um simples polígono, fica mais fácil enquadrá-lo no formato.
Imagem 5
- Dividí mentalmente a folha no meio, tanto na vertical quanto na horizontal. Provavelmente marquei alguns pontos.
Imagem 6 - Concentrei-me na garrafa. Dividí mentalmente a reta MA ao meio e novamente ao meio no lado da garrafa. Dividí a reta MB ao meio e novamente ao meio na metade superior. Com certeza marquei estes pontos
Imagem 7 e Imagem 8 - Com a localização bem definida não foi difícil perceber as proporções e desenhar a minha garrafa. Na realidade não fiz "mágica" nenhuma. Qualquer pessoa que desenhe bem faria algo aproximado ou teria uma solução mais elegante ou mais eficaz.
O resto do desenho foi todo executado usando as mesmas estratégias que uso e ensino até hoje: percepção dos vazios, geometrizações, varreduras, triangulações e outros caminhos que utilizo para desenhar corretamente.
Até a próxima,

SantaTeresa, Rio de Janeiro, 23 de abril de 2008.
Dia de São Jorge.

domingo, 20 de abril de 2008

035 - "Professor, é assim que eu desenho". 1

Caros leitores,
Fiz dois exames vestibulares para Arquitetura. O primeiro, em 1964, para a Faculdade Nacional de Arquitetura, onde cursei apenas o primeiro ano e depois abandonei o curso. Mais tarde, não sei bem se foi em 71 ou 72, prestei novo exame para a recém criada Faculdade de Arquitetura Bennett.

Nos dois exames havia a prova de desenho. A prova da Nacional de Arquitetura durava quatro horas, tinha Natureza Morta, Figura Humana e 6 Croquis de figura humana. A da Bennett durava duas horas e só tinha uma Natureza Morta. Na Nacional, apenas quatro candidatos tiraram nota 10 em aproximadamente 400, eu fui um dos quatro. Na Bennett, sómente um candidato tirou nota 10 em aproximadamente 100, fui eu.

Estou contando esta história porque aconteceu comigo um fato, em 1964, que iria se repetir exatamente igual 8 ou 9 anos depois, na Bennett, durante a prova de desenho.

A Figura 1 representa aproximadamente o que tínhamos que desenhar na prova da Nacional. A Natureza Morta da Bennett era quase a mesma coisa. Em vez de uma garrafa era uma moringa. Os sólidos eram outros. Não tinha uma jarra, no fundo era o sempre mesmo arcaico panejamento, e a dificuldade ou facilidade era a mesma.
Nas duas provas fiz como sempre faço. Fico às vezes uns 5 minutos observando o que tenho que desenhar. Desenho com a mente. Calculo as posições, distâncias e proporções sem jamais fazer um esboço. No máximo marco alguns pontos na folha em branco. Depois, escolho um elemento da composição e começo a desenhar. Na prova da Nacional escolhi a garrafa (ver Figura 3), na da Bennett, foi a moringa.

Estava eu tranquilamente desenhando a minha garrafa, apesar do calor de 40 graus na ilha do Fundão, verão de 1964, quando de repente fui interrompido com a seguinte frase: "Não é assim que se desenha! A composição não vai caber na folha!". Era um dos professores que estava observando as provas. Ele me aconselhou a começar tudo de novo. Disse que eu deveria fazer um esboço e que eu não sabia desenhar. Felizmente eu estava muito tranquilo e seguro da minha capacidade. Respondi-lhe calmamente : "Professor, é assim que eu desenho. Tenho certeza que a composição vai caber na folha. Se eu estiver errado, o senhor pode me dar Zero na prova, mas começar de novo eu não vou". Ele não se abalou, disse-me apenas: "Vamos ver!". Como já escrevi, tirei 10 na prova.
Oito ou nove anos depois, estava eu tranquilamente desenhando a minha moringa, numa tarde agradável na Escola Bennett, no inverno de 71 ou 72, quando de repente fui interrompido com a mesma frase: "Não é assim que se desenha! A composição não vai caber na folha!". Pensei imediatamente: "Já vi esse filme!". Realmente, o filme foi igual. O professor era outro, mas a fala era a mesma. Ele me aconselhou a começar tudo de novo e eu, educadamente, disse-lhe que não; com ironia propuz: "Se eu estiver errado, o senhor pode me dar Zero". Acabei tirando 10, mas desta vez o professor foi extremamente elegante e veio me comprimentar no final da prova.
Destes dois episódios concluí que os dois professores, na verdade, não estavam acostumados a ver um jovem desenhar daquela maneira. Eu não fazia esboços e não usava o medíocre recurso do desenho medido a lápis. Fazia cálculos mentais de posicionamento e proporções com uma velocidade extraordinária. Além do mais, tinha a pureza, a segurança, a tranquilidade e a ousadia de uma criança desenhando. Portanto, como um jovem mágico, tirava garrafas e moringas da minha "cartola", que pareciam surgir do nada, e as localizava na posição exata.Tenho certeza que eles nada entenderam. Prisioneiros dos seus limitados e acadêmicos referenciais, me prejulgaram equivocadamente. Depois, dignamente, se retrataram.

Até a próxima,

Santa Teresa, Rio de Janeiro 23 de abril de 2008.
Dia de São Jorge.

sexta-feira, 18 de abril de 2008

034 - No Gomez.


Caros Leitores,
Mais um croquis de imaginação e de minha autoria. Este jovem está sentado no Bar do Gomez. Quem é ele, não sei. Mas que é no Gomez eu tenho certeza, porque o Gomez é o bar da minha esquina e toda vez que eu penso num bar, penso que lá estou.
Até a proxima,
Santa Teresa, Rio de Janeiro, 18 de abril de 2008.

033 - Menino lanchando.


Caros leitores,
Este desenho é de hoje de manhã. Gostei e aí está. Fazer desenhos e croquis de imaginação é um dos meus passatempos preferidos. Eu sempre os deixo incompletos. Acho mais elegante e mais parecido comigo. Idéias, esbôços, nada muito acabado. Nenhuma certeza.
Até a próxima,
Santa Teresa, Rio de Janeiro, 18 de abril de 2008.

032 - Para enfeitar a Tela.




Caros leitores,

Hoje acordei muito cedo. Eram quatro e meia da manhã. Desenhei até às seis e meia e depois dormi até às oito. Fiz dezenas de rostos e pessoas de imaginação. Mulheres, idosos, crianças, jovens e homens. Escolhi estas tres mulheres porque gostei. Como ainda estava escuro, coloquei a data de 17 de abril em dois desenhos. Fiz como se fosse ontem.
Até a próxima,
Santa Teresa, Rio de Janeiro, 18 de abril de 2008.

quarta-feira, 9 de abril de 2008

031 - Como a Miriam me desenhou.


Caros leitores,
Aqui estou eu, à direita, desenhado pela Miriam. O outro perfil da esquerda é um desenho de imaginação que ela fez no dia 3 de agosto. Ela foi da segunda ou terceira turma dos primeiros cursos que dei ainda no Leme em 1983.
O meu perfil feito no dia 10 de agosto, ainda está com o traço muito ¨duro¨, o cabelo sem tratamento e um mínimo de luz e sombra está fazendo falta. Não posso culpá-la pois se houve falha, foi minha. Eu estava começando com o curso e ainda testando exercícios. Naquela época ver um resultado como este já era muito para mim.
Até a próxima,
Sante Teresa, Rio de Janeiro, 9 de abril de 2008.

030 - Aviso aos leitores.

Caros leitores,
Gostaria de informar-lhes que tenho mais outros 3 blogs. Neles vocês poderão ver ilustrações profissionais, desenhos, ilustrações de arquitetura e maquetes eletrônicas de minha autoria.
Os blogs são:
001- Desenhos e ilustrações / Maurício Porto.
O endereço é: http://www.desenhoporto.blogspot.com/

002 - Ilustrações de Arquitetura / Maurício Porto.
O endereço é : http://ilustrarquitetura.blogspot.com/

003 - 3D com SketchUp / Maurício Porto.
o endereço é : http://3dcomsketchup.blogspot.com/
Até a próxima,
Santa Teresa, Rio de Janeiro, 9 de abril de 2008.

029 - Aviso aos navegantes de primeira viagem.

Caros leitores,
Tenho recebido emails de vários amigos que não conseguem lidar com blogs. Afirmam não terem conseguido ver um desenho ou um texto.
Então aí vão algumas ¨dicas¨:
001 - Na primeira página vocês verão apenas as últimas postagens
( eu prefiro chamar de textos). Em geral não ultrapassam o total de dez. Vocês vão descendo até parar. No meio da tela está escrito : Postagens mais antigas. Basta clicar em cima e vocês irão para a página anterior, onde encontrarão evidentemente as postagens mais antigas. ( Atenção, deixo claro que esta não é uma explicação lusitana. é real ). Daí em diante é só repetir o procedimento
( Perceberam ? ).
002 - Outra maneira bem mais rápida é procurar na tela o ARQUIVO DO BLOG que fica no seu lado direito. Vocês, por exemplo, poderão clicar uma vez só no ano 2008. Então verão todas as postagens do ano de uma só vez. Às vezes, dependendo da quantidade de postagens, não virão todas. Aparecerá novamente na tela: Postagens mais antigas. Então, é só clicar em cima.
003
- Se vocês quizerem ler um determinado texto, vocês poderão clicar uma vez em cima do mês ou do ano, escolher o título e clicar em cima. Só aparecerá aquele texto. Para voltar ao estado normal do blog, clique em início que fica à esquerda de Postagens mais antigas.

Não sei se consegui ajudá-los ou se dei uma de Chacrinha: " Eu estou aqui para confundir, eu não estou aqui para explicar ".

Até a próxima,

Santa Teresa, Rio de Janeiro, 9 de abril de 2008.

terça-feira, 8 de abril de 2008

028 - O Vinícius e o Hélio visto pelo Vinícius.


Caros leitores,
Vinícius estudava arquitetura e era muito amigo do Hélio e da Denise (ver texto 027). Foi também aluno da minha 2ª turma em 1983. Ele já desenhava muito bem. O seu auto-retrato, à esquerda, feito no início do curso, diz tudo. Era a cara dele.
No final do curso ele desenhou o Hélio. Era a cara do Hélio. Do meu ponto de vista, não houve nenhuma mudança no seu desenho. Ele continuou muito bom. É interessante ver o auto-retrato feito pelo Hélio (ver texto 027), e a diferença do retrato que o Vinícius fez dele.
Em compensação, o Hélio avançou bastante e o Vinícius ficou ¨meio paradão¨. Também, já sabia tudo. Só tinha que deixar de ser preguiçoso e terminar os cabelos. Afinal ele e o Hélio naquela época ainda tinham cabelos pretos.
Vinícius se tornou um dos meus maiores amigos e sempre que pode, lê este blog. Por ser meu amigo, pude dizer que ele era preguiçoso e ainda fiz uma ¨pilhéria¨com a cor dos seus cabelos e do Hélio. Ele é muito mais jovem que eu e ainda tem cabelos pretos.
Até a próxima,
Santa Teresa, Rio de Janeiro, 8 de abril de 2008.

segunda-feira, 7 de abril de 2008

027 - O Hélio e a Denise vista pelo Hélio.


Caros leitores,

O Hélio e a Denise foram meus alunos da segunda turma do meu curso, em agosto de 1983. Nesse início como já escrevi (ver texto 003), o curso ainda era no meu escritório na minha casa no Leme. Os dois, na ocasião, eram estudantes de arquitetura.
O desenho da esquerda é o auto-retrato do Hélio feito no começo do curso e tem as características típicas de um desenho infanto-juvenil. Ele já cursava o 4º ano da faculdade e ao meu ver, não tinha culpa nenhuma de não saber desenhar. O ensino de desenho é que era, e ainda é em geral, bem fraco nas faculdades de arquitetura do Rio de Janeiro.
No perfil que ele fez da Denise, quase dois meses depois, ele já apresenta uma certa melhora. O traço ainda está um pouco pesado e o cabelo mereceria um cuidado maior. Mas, de qualquer maneira, já não é mais um desenho do nível do anterior.
Até a próxima,
Santa Teresa, Rio de Janeiro, 8 de abril de 2008.

026 - 2 desenhos do meu filho Nelson.


Caros leitores,
Meu filho Nelson foi meu aluno como antes fora seu irmão André. Em agosto de 92 ele ainda não tinha 14 anos. Aqui estão 2 desenhos que ele fez numa mesma aula e de uma mesma colega. Nos desenhos pode-se, ver anotado: 4:00 no desenho da esquerda e 4:30 no outro, indicando a hora e o minuto em que ele fez cada desenho. Portanto em meia hora ele deu um grande salto perceptivo.
O traço ainda estava pesado, mas o mais importante, foi o fato de que ele passou a ¨ver¨ de outra forma. Recomendo a todos que vejam, no texto 012, dois de seus maravilhosos desenhos, 7 anos depois.
Nelson hoje é designer e tem 2 Sites que eu também indico: http://www.lanalapa.com.br/ e o http://animafoto.com/.
Até a próxima,
Santa Teresa, Rio de Janeiro, 7 de abril de 2008.